3 de junho de 2013

O custo do não-discipulado

Em 1937, o teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer publicou seu famoso livro “O Custo do Discipulado”. Uma exposição do Sermão do Monte, na qual ele comenta o que significa seguir a Cristo. O contexto era a Alemanha no início do nazismo. Sua preocupação era combater o que ele chamou de “graça barata”, essa graça que oferece perdão sem arrependimento, comunhão sem confissão, discipulado sem cruz. Uma graça que não implica obediência e submissão a Cristo. Seu compromisso com Cristo e sua cruz o levou a morte prematura em abril de 1945. “O Custo do Discipulado” é um livro que precisa ser lido pelos cristãos brasileiros do século 21, com sua fé secularizada, sua moral relativizada, sua ética minimalista e sua espiritualidade privada e narcisista. A “graça barata” tem nos levado a conceber um cristianismo medíocre e uma espiritualidade que não expressa a nobreza do reino de Deus. A fé cristã não é o produto de uma subcultura religiosa. Também não é apenas um conjunto de dogmas e doutrinas que afirmamos crer. É , antes de tudo, um chamado de Cristo para segui-lo. Um chamado para tomar, cada um, a sua cruz de renúncia ao pecado e obediência sincera a tudo quanto Cristo nos ensinou e ordenou. Muitos olham para este chamado e reconhecem que o preço para seguir a Cristo é muito alto. Esta foi a preocupação de Bonhoeffer. De fato é. Amar os inimigos, abençoar os que nos rejeitam, orar por todos os que nos perseguem, sem dúvida é muito difícil. Perdoar os que nos ofendem, resistir as tentações, buscar antes de qualquer outra coisa o reino de Deus e sua justiça e fazer a vontade de Deus aqui na terra como ela é feita nos céus, não é fácil. Resistir aos impulsos consumistas numa cultura hedonista, preservar uma conduta moral e ética elevada em meio a tanta corrupção e promiscuidade definitivamente tem um preço muito elevado. Porém, precisamos ver tudo isto por outro ângulo. Se o custo do discipulado é alto, já imaginou o custo do não-discipulado? Se amar o inimigo é difícil, tente odiá-lo! Se honrar pai e mãe é custoso, pense na possibilidade de não fazê-lo! Se viver em obediência a Cristo, renunciando o pecado, exige muito, procure ignorar isto! Vivemos hoje uma sociedade enferma. O número de divórcios aumenta cada dia. O número de filhos que desconhecem o pai é alarmante. As doenças de fundo emocional multiplicam-se. A violência cresce. A corrupção parece não ter fim. Os transtornos psíquicos na infância assustam os especialistas. A raiz da enfermidade pessoal e social, em grande parte, é o não-discipulado. Não considerar os mandamentos de Cristo, seu magnífico ensino no Sermão do Monte, seu chamado para a renúncia ao pecado e a necessidade de diariamente tomar a cruz da obediência para segui-lo tem um custo incalculavelmente maior. Jesus nos conta a parábola de um homem que descobriu um grande tesouro que estava escondido em um campo. Com muita alegria, tomou tudo o que tinha, vendeu e, com o dinheiro, comprou o campo e com ele seu tesouro. Desfazer de tudo o que tinha foi uma decisão fácil tendo em vista o tesouro que iria adquirir. Só iremos compreender a importância da contrição e do arrependimento, da confissão e da renúncia ao pecado, da obediência aos mandamentos e do valor da cruz se tivermos consciência da riqueza que nos espera. Pagamos um alto preço pela “graça barata”. Nossas famílias sofrem por causa dela. Nossos filhos encontram-se confusos e perdidos. A nação afunda-se na lama da corrupção, da violência e da promiscuidade. Nossas igrejas transformaram-se em centros de entretenimento religioso, com um comércio de falsas promessas em troca de um evangelho sem cruz e de um reino onde cada um é seu próprio rei. O chamado de Cristo para sermos seus discípulos, com seu “alto custo”, é o único caminho possível para a liberdade. A única opção para a verdadeira humanidade. A única esperança para nossa sociedade enferma. Se seguir a Cristo exige muito, lembre-se que não segui-lo vai lhe custar muito mais. Nota Artigo publicado originalmente na revista Ultimato 320 (setembro-outubro/2009). Fonte: http://www.ultimato.com.br/

Marcadores

ILUSTRAÇÕES ARTIGOS REFLEXÕES PENSAMENTOS FACEBOOK PNL CURIOSIDADES AUTO AJUDA VIDEOS DOCUMENTÁRIOS APOLOGÉTICA MOTIVAÇÃO EBOOK ESBOÇOS Max Lucado NOVO TESTAMENTO judeus templo de salomão DWIGHT L. MOODY ESTUDOS BÍBLICOS Ezequiel Gomes ISRAEL PREGAÇÕES Pensamentos TEOLOGIA TUTORIAIS psicologia 70 ANOS TUPÃ A AUTORIDADE DO CRENTE A BÍBLIA ATRAVÉS DOS SÉCULOS A Língua A. W. Tozer ADMINISTRAÇÃO ECLESIÁSTICA ALIEXPRESS ANTONIO GILBERTO Abraham Shapiro Acreditar Aposentadoria Arnaldo Jabor Atitude humana Augusto Cury Augustus Nicodemus Avivamento Da Rua Azusa BÍBLIA ONLINE Crack DEVOCIONAIS DROGAS Desenho infanfil bíblico Dia das Crianças Dilma manda tirar Bíblia e crucifixo do gabinete Dwight L. Moody EBD ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL Edir Macedo Elaine de Jesus FILMES Fantoches Fernanda Brum Finanças Fracasso Gesiel Gomes Halloween ou Reforma Protestante? Infantil John Locke KENNETH E. HAGIN MENSAGEM AUTO AJUDA Maquiavel Maquiável Minha vida não vale nada Nicholas Winton Os quatro maiores poderes do universo PLANO DE LEITURA DA BÍBLIA CRONOLÓGICO PR. JOSUÉ GIUNCO PREGADORES PROMOÇÃO Pano de saco Parábolas de Jesus Perseverar Profecias O Apocalipse REFLEXÕES TUBE SAÚDE Salmos VATICANO VIDEOS PNL VITRINE WIDGETS amor próprio bondade comunhão confiança conhecimento construção cristão verdadeiro critica doar dádivas esperança estima eu família financeiro fragilidade gestão de recursos inteligências justiça lei medo mulher de valor mães obstáculos perdoar racismo renúncia sacrifício sonhos univeral valorização pessoal Êxito