20 de fev de 2017

Anjos podem possuir mulheres? Por Ciro Sanches Zibordi

Resultado de imagem para Anjos podem casar com mulheres







A expressão hebraica benê’elõhîm, que aparece em Gênesis 6.1-4, tem sido interpretada, muitas vezes, como uma menção a anjos, os quais teriam possuído mulheres, que teriam dado à luz gigantes. Entretanto, para defendermos essa posição — que agrada muito a roteiristas de filmes —, teríamos de ignorar o contexto imediato e outras passagens em que a mencionada expressão alude a seres de natureza completamente diferente da angelical.

Tem sido contestada — por alguns eruditos, mas principalmente pelos proponentes da seita Testemunhas de Jeová — a posição de que os filhos de Deus em Gênesis 6 seriam pessoas pertencentes à linhagem piedosa de Sete, filho de Adão. Para eles, a menção a homens tementes a Deus, em Gênesis 5, não indica, necessariamente, que os filhos de Deus do capítulo seguinte são piedosos servos do Senhor. Nesse caso, seria mais plausível acreditar que a passagem em apreço alude a seres angelicais que teriam se relacionado sexualmente com mulheres?

Quero reafirmar — uma vez que já escrevi sobre o assunto, inclusive em meus livros —, neste texto, que, após estudar detidamente Gênesis 6 por alguns anos, consultando os eruditos, continuo não vendo nenhuma plausibilidade na posição de que os filhos de Deus ali são anjos. Creio que eles são, sim, os servos do Senhor, pertencentes a um linhagem piedosa, por alguns motivos.

Primeiro: se os mencionados seres fossem mesmo anjos — e nesse caso anjos caídos, posto que os mensageiros do Senhor jamais cometeriam o pecado descrito em Gênesis 6.2 (cf. Sl 103.20) de possuir mulheres —, não seriam chamados de “filhos de Deus”.

Segundo: se não há indicação no contexto imediato — mas há! — de que os filhos de Deus não eram os descendentes de Sete, como dizem alguns teólogos, que indicação haveria nele de que os filhos de Deus, ali, eram seres angelicais?

Terceiro: alguns teólogos se apegam à suposição de que gigantes teriam surgido em decorrência do fato descrito em Gênesis 6.2. Mas observe que antes de os “filhos de Deus” tomarem para si mulheres dentre os “filhos dos homens” já havia gigantes na terra: “Havia, naqueles dias, gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos” (v. 4). 

Quarto: em Mateus 22.30, vemos que no Céu os salvos serão como anjos, que nem se casam nem se dão em casamento. Entretanto, nos dias de Noé, era exatamente isso que acontecia (24.38)! As palavras de Jesus, por conseguinte, confirmariam o fato de que ocorreram diversos casamentos mistos entre os “filhos de Deus” (justos) e as “filhas dos homens” (ímpias). A terra se encheu, pois, de maldade por causa dessa mistura, e Deus então a destruiu por meio do dilúvio.

Quinto: os anjos são “espíritos ministradores” (Hb 1.14) e, conquanto possam aparecer sob a forma corpórea e interagir até certo ponto com os seres humanos (cf. Gn 12-19), não têm corpos físicos para manterem relações sexuais com mulheres. À luz das palavras de Jesus em Mateus 22.30, podemos afirmar que os anjos, repito, interagem com os seres humanos até certo ponto, mas não podem possuí-los sexualmente, já que o Senhor Jesus ensinou que eles não se casam, isto é, não podem se relacionar sexualmente com mulheres, muito menos depositar nelas a sua semente.

Sexto: Deus fez tudo com perfeição. Dois animais, macho e fêmea, de espécies completamente diferentes, por exemplo, não conseguem se relacionar a fim de gerar uma nova vida. O homem, por sua vez, pode até possuir sexualmente um animal, uma fêmea, mas não consegue efetivamente depositar nela a sua semente. O que dizer de uma relação entre anjos e humanos, cujas naturezas são completamente distintas?

Sétimo: alguns citam o caso de Jesus, gerado no ventre de Maria, já que a semente divina foi depositada em uma mulher. Entretanto, a encarnação de Jesus, o Deus-Homem, que é um mistério (1 Tm 3.16), foi excepcional, visto que Ele foi gerado por obra e graça do Espírito Santo. Não se tratou de algo que pode ser repetido. O próprio Anticristo não será gerado pelo próprio Satanás no ventre de alguma mulher, como alguns pensam. O preposto do Diabo será um homem qualquer, que nascerá como qualquer outro, assim como hoje muitos não nascem anticristos, mas “se têm feito anticristos” (1 Jo 2.18).

Oitavo: em Jó 1.6; 2.1, sem dúvida, filhos de Deus são anjos. Mas afirmar que todas as vezes em que se menciona esta expressão no Antigo Testamento é uma alusão a anjos não reflete boa exegese. Esse termo aparece em muitas outras passagens, referindo-se a anjos e a homens (Dt 14.1; 32.5; Sl 73.15; Os 1.10 etc.). No Novo Testamento, os que nascem de novo também são chamados de filhos de Deus (Jo 1.11,12; Gl 4.4,5). Como não se trata de uma designação exclusiva dos anjos, precisamos examinar com cuidado o contexto imediato e a analogia geral da Bíblia.

Diante do exposto, reafirmo que Gênesis 6.1-4 nos apresenta a primeira ocorrência de casamento misto entre crentes e incrédulos. Os filhos de Deus, isto é, os descendentes de Sete, jovens tementes ao Senhor, em vez de permanecerem fiéis e leais à sua herança espiritual, cederam à tentação e se uniram a belas jovens ímpias, seguidoras da tradição e do exemplo de Caim. E o resultado disso foi a depravação da natureza humana, no tocante às gerações mais jovens, até que os antediluvianos se afundaram nas profundezas da iniquidade (v. 5). Fica aqui o alerta para todos os filhos de Deus: o Senhor não aprova a mistura. “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis” (2 Co 6.14).

Ciro Sanches Zibordi

Nenhum comentário :

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...