10 de mar. de 2020

Pastores “evangélicos” abençoam clínica de aborto, cantando “Aleluia. Abençoamos esta sala de cirurgia”

Micaiah Bilger
Como é que uma pessoa pode “abençoar” a destruição violenta da vida de um bebê? Embora difícil de imaginar, isso acontece, e alguns líderes religiosos fazem isso em nome do Cristianismo e judaísmo.

No início deste verão, um grupo de líderes religiosos se reuniu na clínica de aborto Whole Woman’s Health (Saúde Integral da Mulher), em North Austin, Texas, para “abençoar” o trabalho da clínica de destruir vidas, de acordo com o jornal Texas Observer.
Cerca de 20 líderes cristãos e judeus que se reuniram para o evento cantaram “Aleluia. Não tema. Alguém ama você. Vamos abençoar esta sala de cirurgia. Vamos abençoar este útero,” na sala de espera da clínica de aborto, descreveu a reportagem.
Outros insistiram em que pessoas religiosas podem apoiar o aborto.
“Por uma questão de fé, as mulheres receberam livre-arbítrio em relação a seus corpos,” disse o rabino Alan Freeman, do Templo Beth Shalom. “…Por uma questão de fé, as crenças de cada pessoa sobre a natureza da vida são uma questão teológica, não legislativa.”
“Vamos ser claros, não há nada nas Escrituras cristãs que condene o aborto, que simplesmente não existe na Bíblia,” acrescentou a Rev. Amelia Fulbright, do Ministério Estudantil Progressista Labirinto.
Mas isso não é verdade. A Bíblia pode não mencionar especificamente a palavra “aborto,” mas claramente condena o ato de destruir vidas. Mesmo nos tempos antigos, os bebês no útero eram vistos como valiosos, como é evidente em Lucas 1:41. Jesus deu grande valor às crianças quando outras pessoas da sociedade não davam em Mateus 19:14, e Provérbios 6:16-17 afirma que uma das coisas que Deus mais odeia é o derramamento de sangue inocente. Um dos dez mandamentos proíbe o assassinato.
Mesmo assim, grupos de defesa do aborto estão tentando convencer o público de que as pessoas podem ser cristãs e judias e apoiar a matança de bebês em gestação.
Um desses grupos, a Rede de Liberdade do Texas, iniciou recentemente um projeto chamado Just Texas, que identifica igrejas, sinagogas e outras casas de culto que apoiam o aborto. Até agora, existem 17 na lista, de acordo com a reportagem.
“Todo o esforço contra o [aborto] está vindo de pessoas religiosa,” disse Sonja Miller, que ajuda a administrar o projeto, à agência de notícias.
Mas isso também não é verdade. O movimento pró-vida é diverso. A ideia de que toda vida humana tem valor reúne pessoas de todas as esferas da vida, inclusive pessoas não religiosas.
Miller então insistiu em que os cristãos pró-vida “não são a maioria,” apenas a “voz mais alta e dominante.”
“Portanto, é absolutamente essencial que as pessoas de fé que defendem plenamente que as mulheres tenham a liberdade de tomar suas próprias decisões se manifestem afirmando isso,” disse ela.
O que eles realmente estão defendendo não são os direitos ou liberdades das mulheres. Eles estão defendendo e “abençoando” o aborto provocado — a destruição de um ser humano vivo inocente e único.
A verdadeira religião rejeita a violência e ajuda os mais vulneráveis. Defende os indefesos e oferece compaixão aos que estão em sofrimento. É isso que os ativistas pró-vida, seculares e religiosos, fazem todos os dias em prol das mães e bebês em todo o mundo. Eles oferecem às famílias que estão passando por dificuldades verdadeiras bênçãos, assegurando-lhes que toda vida é valiosa.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês de LifeNews: “Christian” Pastors Bless Abortion Clinic, Singing “Hallelujah. Bless This Room”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu Comentário!